LELO - ANEL PENIANO PARA CASAIS MAN TOR II - PRETO

ver na loja
Sexualidade

O casal e o relacionamento sexual.

O CASAL E O  RELACIONAMENTO SEXUAL.

O sexo é uma das formas mais puras de autoexpressão. No entanto, é também a forma mais íntima que duas pessoas têm de demonstrar o seu amor uma pela outra. O sexo torna-se assim determinante numa relação, visto que produz uma vinculação única, especial e importante. Desta forma, quando surgem disrupções na vida sexual, toda o relacionamento pode ser posto em causa. É normal que, à medida que o tempo passe, a atividade sexual do casal diminua, e isso nem sempre representa um problema, a menos que a necessidade da atividade sexual não seja comum às duas partes. Nesta perspetiva, deixo-vos alguns esclarecimentos sobre três mitos que estão muitas vezes associados ao relacionamento sexual do casal.

MITO1

O desejo feminino é determinado pelo

sistema hormonal

Quando a mulher se torna menos recetiva à atividade sexual dentro de uma relação, existe alguma tendência de a associar à líbido. No entanto, este é influenciado por imensos fatores para lá da questão hormonal, fatores estes muito mais complexos como a saúde vascular, mental, a nutrição, a imagem corporal, níveis de stress e a qualidade da relação em geral. Neste sentido, optar por medicações hormonais que aumentem o desejo sexual poderá não resultar pois as causas psicológicas não foram tratadas, conduzindo à persistência do problema.

MITO2

Intimidade emocional é sinónimo de um

bom relacionamento sexual

Por vezes, a intimidade emocional pode fazer com que o casal sinta que existe uma relação de amizade forte, prejudicando posteriormente o desejo sexual. A intimidade emocional é fundamental, sem dúvida, mas o casal deve criar também espaços em que lhes seja possível assumir riscos, aventurarem-se e sentirem-se atraentes um para o outro, afinal de contas, sentir que se é desejado é fundamental para um bom relacionamento sexual. 

MITO3

O casal deve resolver primeiro os seus problemas emocionais e só depois os problemas sexuais

Adicionalmente aos problemas sexuais, muitos casais vivem também situações de ressentimento, falta de comunicação e raiva. Nesta perspetiva, tende-se a considerar que os problemas emocionais deverão ser os primeiros a ser resolvidos, mas nem sempre isto é verdade! Cada vez mais é difícil separar terapia de casal de terapia sexual, pois a situação emocional e sexual do casal são influenciadas uma pela outra e devem por isso, ser resolvidas como um todo. Tratar primeiramente as questões emocionais pode ser vantajoso, mas o toque e a intimidade física são fundamentais também para a proximidade emocional e pode ser determinante e facilitador na resolução do problema.

Joana Santos